+A  | -A  |  

Violência contra a mulher gera preocupação e debate em Teresina

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres realizou nesta quarta-feira (19) a quinta edição do Colóquio Vozes. Durante o momento, mulheres relatam sobre sua passagem na rede de enfrentamento e assistência à mulher vítima de violência de gênero para compor uma melhoria na articulação do Centro de Referência Esperança Garcia (Creg), que contou a presença do prefeito de Teresina Dr. Pessoa.

Na ocasião, o chefe do executivo municipal ressaltou a importância do encontro para ouvir a demanda das mulheres teresinenses a respeito da segurança pública. “Esse momento é fundamental, pois precisamos ouvir essas mulheres, entender as violências que sofreram, para trabalhar com todos juntos, jurídico, social e estado”.

A Secretária da SMPM, Karla Berger, pontuou que o órgão é ciente da importância de aperfeiçoar os serviços no que diz respeito à violência, uma vez que acontece dentro dos espaços públicos e privados. Ela frisa que um dos objetivos do Creg é firmar cada vez mais parcerias na rede de enfrentamento de forma integrada.

“É um momento de bastante escuta e retorno do que nosso serviço é capaz de oferecer. Hoje, o Creg através da SMPM fazem um trabalho bastante profundo no retorno da dignidade da vida dessas mulheres”, destaca.

A coordenadora do Creg também destacou a importância do serviço estar cada vez mais atento ao que a mulher atendida precisa receber. Ela explica que o Colóquio é uma das atividades mais importantes do serviço pelo seu potencial de entender o impacto da rede de enfrentamento na vida de cada atendida. “Cada ano tem sido um desafio, mas nosso trabalho é integrado e conseguimos atingir cada vez mais mulheres”

Na ocasião foram ouvidos depoimentos reais, que fazem a sociedade repensar, especialmente a rede de enfrentamento à violência contra mulher. Thais Xavier, uma das mulheres que compartilhou seu relato, declara que o atendimento especializado dentro do Creg foi crucial para superar as marcas psicológicas causadas pela violência cometida pelo agressor. “Não posso me culpar pelo o que aconteceu. Hoje me sinto forte e tenho voz para dizer isso”

Ao final do evento, foi assinado por toda a rede um termo de compromisso reforçando a responsabilidade com os serviços oferecidos às mulheres teresinenses para o percurso de seus processos de ruptura com a violência doméstica e familiar e outras de gênero, bem como se compromissaram frente às narrativas de dificuldades enfrentadas nesses atendimentos, representadas nas falas das mulheres ali presentes.

Demais representantes da Rede de Enfrentamento à Violência contra mulher presentes no evento

– Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência  Doméstica e Familiar (NUPEVID) do Ministério Público;
– Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça;
– Patrulha Maria da Penha;
– Guarda Maria da Penha da GCM;
– Casa Abrigo “Mulher Viva”